Uma nova civilização

O modo de vida que levávamos, para já, acabou, e não se vislumbra que volte ao que era
0
105

João de Jesus Nunes

O modo de vida que levávamos, para já, acabou, e não se vislumbra que volte ao que era

Face ao insólito por que o planeta foi acometido, levando ao exasperar da quase totalidade do tempo por que se vai passando, confinados ou desenfiados, em labor presencial ou teletrabalho de todos os dias, somos constrangidos a ver, a falar, ler, ouvir, desenganar, acreditar ou desconfiar, do muito que se nos depara sobre este tema da pandemia que nos continua a chegar.

Uma boa parte de todos nós, entre os quais me incluo, já teve a experiência de tristes e ledas madrugadas, de navegar entre ventos e marés, de voar além das nuvens, na longevidade dos dias de hoje, que, imperiosamente, por força da ciência e da técnica conseguiu dilatar o tal aumento de vida.

Da história do mundo, da vivência cristã para os crentes, da criatividade e das descobertas, muito nos tem chegado pela imensidão de oportunidades que nos foram e são oferecidas.

Mas!… Sempre o traiçoeiro mas!…

Se já na Antiguidade houve várias civilizações, com conquistas e derrotas, dominação de outros povos e no imperar de outras culturas, na nossa Civilização estávamos, apesar de tudo e de outros medos – os climáticos, por exemplo – em uma grande parte da humanidade, numa situação de alguma serenidade, ainda que, desde há muito, outra parte do globo se visse mergulhada no flagelo das guerras e da fome. Disso é o exemplo das migrações.

O Homem é um ser dotado de dons que tão bem soube aproveitar para a ciência em prol do desenvolvimento humano, mas que não deixa de ser uma insignificância perante um invisível animal que se infiltra diabolicamente no mesmo ser humano para o destruir.

Crentes ou não crentes, é indubitável que esta força destruidora é como comparar o impulso vencedor entre David e Golias.

Mas a Civilização atual sempre contou com homens responsáveis, e incansáveis, nas organizações internacionais criadas exatamente para o bem do próprio Homem que vive neste planeta, como a Organização das Nações Unidas, a Organização Mundial de Saúde, entre outras. Infelizmente, sobre o mundo de hoje ainda existem líderes sem maturidade emocional, de bradar aos céus, que destroem a Terra que é de todos, quais Nero ou Hitler.

Já houve outras pandemias no Mundo, por que nós, viventes, felizmente não passámos, mas ouvimos aos nossos antepassados contar, como a gripe espanhola e a peste negra, para além das guerras mundiais. Foi nestas crises que se fizeram grandes líderes, como Churchill e Roosevelt. Portanto, só os grandes líderes atuais, responsáveis, poderão ajudar a debelar esta crise mundial.

Depois de um annus horribilis em boa parte do Mundo, e da Europa, cujos contornos foram esquecidos, ou colocados em segundo plano face ao surgimento do medonho bicho, os apitos a rebate são agora voltados para um novo normal. Ninguém parece capaz de dizer como será este novo normal “porque a mensagem é que será ditado pelas restrições impostas pela pandemia e não pelas nossas escolhas e preferências”.

É bem certo que a história é pródiga de fatalidades, desde as naturais às causadas pelo homem. No entanto, perante o homem, nada mudou quando teve várias oportunidades ao longo da sua vida.

Muitos argumentam que sempre nos soubemos adaptar às circunstâncias, ultrapassando todas as vicissitudes por que o homem passou: guerras, catástrofes naturais, mudanças de clima, doenças, perseguições.

Se é certo que é verdade também o é que houve civilizações que acabaram e exatamente quando parecia estarem no ponto mais alto do seu desenvolvimento e da sua expansão. Vejamos, por exemplo, Roma que tinha atingido um desenvolvimento técnico impensável, levando a sua cultura a pontos remotos do Globo. Mas se a ascensão tinha sido lenta e difícil, a queda do império foi rápida.

A Civilização Ocidental também conheceu na segunda metade do século XX e neste início de século um desenvolvimento tecnológico notável e a sua cultura universalizou-se. Mas, no entanto, a natalidade caiu e as sociedades começaram a envelhecer. A família começou a desfazer-se com a violência doméstica a alastrar.

Será que a nossa civilização, tal como a conhecemos, pode estar a acabar? Isto, evidentemente, não no ser humano mas na sua cultura que atingiu o seu ponto mais alto no Renascimento e que desde aí entrou em declínio, conforme questiona José António Saraiva, no “Sol”.

É certo que a tecnologia continuou a desenvolver-se, ultrapassando todos os limites que era possível imaginar; mas isso também acontecia com as civilizações que morreram: estavam no ponto mais alto do seu desenvolvimento técnico.

Bom, o modo de vida que levávamos, para já, acabou, e não se vislumbra que volte ao que era, pelo que se espera por um novo normal, a que teremos que nos habituar.

 

 

 

Deixe um comentário