Sobral de São Miguel há 50 anos “por vontade do povo”

Autónoma administrativamente há 82 anos, a freguesia continuava a chamar-se Sobral de Casegas. Por uma questão de identidade, a designação, a que a população se acostumou rapidamente, foi mudada a 27 de Fevereiro de 1970, para “adequar o nome à realidade”
0
619

António Ramos tinha sete anos quando Sobral de São Miguel passou a ter a actual designação, há 50 anos. Andava na escola primária, onde a aprendizagem era acompanhada ao ritmo de “reguadas, pontapés, varadas” e no quadro de ardósia, a partir do dia 27 de Fevereiro de 1970, em vez de Sobral de Casegas, passou a escrever-se o novo nome. Ainda criança, esta foi a principal alteração que notou.

Maria Gaspar, 86 anos, ouviu a boa nova na missa, onde o padre fez o anúncio e “pelo povo” a notícia disseminou-se rapidamente, para satisfação geral da população. “Todo o povo estava de acordo e ai não, que não ficámos contentes. Nós não éramos de Casegas, tínhamos direito a outro nome”, recorda Lurdes Mendes, à beira dos 80 anos.

“Nós começámos logo a usar o nome. Ai se nos adaptámos. O São Miguel era a festa mais valente que cá se fazia, no último fim-de-semana de Setembro. São Miguel é o nosso padroeiro e o anterior nome não tinha jeito nenhum”, considera, despachada, Maria Gaspar, a meio da Rua do Vale, com o molho de grelos acabados de apanhar, ao lado do saco de batatas que vai preparar para o almoço.

Lurdes Mendes, que durante anos, como centenas, viu como caminho a emigração, viveu as dificuldades dos trabalhos do campo. Há meio século, moravam 1.500 pessoas no Sobral. Havia pedreiros, quem tirasse o sustento da actividade agrícola e quem se embrenhasse terra adentro, nas profundezas da mina. A antiga operária em França frisa que “a terra é someninha”. É difícil de amanhar, traduz, “mas é a nossa terra”. “Eu tenho uma perna de Casegas, a minha mãe é de lá, damo-nos bem com as pessoas, mas queríamos ter o nome da nossa terra”, recua Lurdes Mendes, junto ao lagar e ao antigo moinho da Ribeira do Vale.

(Reportagem completa na edição papel)

Deixe um comentário