Derrota justa em Arouca

Serranos perdem por 1-0, em partida em que foi Luciano a orientar a equipa, já que Capucho estava infectado com covid-19
0
225

Justo. O Sporting da Covilhã perdeu na tarde do último domingo em Arouca, por 1-0, em jogo da 12ª jornada da II Liga, onde agora ocupa o 11º lugar da tabela, com mais cinco pontos que o primeiro emblema em zona de despromoção (a Oliveirense). Uma derrota merecida face à inoperância ofensiva do conjunto serrano que, nesta partida, não contou com Nuno Capucho no banco.

A verdade, porém, é que até foi o Covilhã a ter a primeira oportunidade de golo, logo aos oito minutos. Mas, a única em toda a partida. Erro defensivo do Arouca e Gilberto, na cara do guardião brasileiro Fernando Castro, a tentar atirar em jeito, mas a bola a sair ao lado da baliza. E ficaram-se por aqui os intentos serranos, onde a grande novidade no onze foi Areias, na frente de ataque, que teve um jogo apagado. À semelhança de toda a equipa.

O Arouca, na primeira parte, mesmo sem apertar muito, foi sempre o melhor conjunto em cima do relvado, o que também se manteve no segundo tempo, em que foi mais acutilante e acabou mesmo por marcar. Mas na primeira parte, os da casa também ameaçaram. Pela primeira vez, aos 17 minutos, numa boa jogada de ataque, com a bola a chegar à zona central e, de fora da área, Leandro, com um potente remate a proporcionar uma vistosa defesa a Léo Navacchio. Aos 40 minutos, o conjunto de Armando Evangelista teve nova oportunidade para facturar, após grande jogada, toda ao primeiro toque, pela direita, com a bola a chegar ao lado esquerdo da área serrana e de novo Leandro a rematar, mas com Joel, num grande corte, a dar o “corpo ao manifesto” e a evitar males maiores para os serranos.

Ao intervalo, Luciano mexeu, retirando do campo Areias e Gilberto (entraram Gui e Deyvison), mas os “Leões da Serra” continuaram a ser uma equipa apenas preocupada em não sofrer golos, não realizando uma única acção ofensiva digna desse nome. O Arouca, por seu lado, era mais acutilante. E acabou por marcar, aos 56 minutos. Lance bem construído do lado esquerdo, cruzamento para a área, primeiro remate de um avançado do Arouca travado, de carrinho, por Joel, mas a bola a sobrar dentro da área para Bukia, que mesmo perante a saída destemida de Léo Navacchio atirou a contar. O Covilhã, a perder, não reagiu, apesar das entradas de Léo Cá e Daffé, para reforço do sector ofensivo, e foi mesmo o Arouca a estar de novo perto do golo, aos 71 minutos, num cabeceamento ao lado de Nuno Rodrigues, com o guardião serrano já batido. Em cima dos 90, foi o capitão da equipa da casa, Thales, a estar perto do segundo, quando em boa posição atirou por cima.

Esta foi a terceira derrota consecutiva dos covilhanense no campeonato (a quarta seguida se somado o jogo da Taça de Portugal frente ao Salgueiros). Na próxima segunda-feira, 27, os serranos recebem o Mafra, às 17 horas, no Santos Pinto, num jogo com transmissão pelo Canal 11.

Luciano orientou a equipa

Luciano, treinador de guarda-redes do Sporting da Covilhã, foi quem orientou a equipa em Arouca. É que o técnico Nuno Capucho, bem como outro elemento da equipa técnica, Davi Lima, acusaram positivo para a Covid-19, tendo o terceiro elemento, Sérgio Campos, que deu negativo, ficado em isolamento profilático.

No rescaldo da partida, o ex-guardião dos serranos lembrou que a equipa até entrou bem, teve oportunidade de marcar, mas depois “faltou um bocadinho mais da parte ofensiva e tivemos uma exibição menos conseguida na segunda parte. O Arouca acaba por ser um merecido vencedor. Há que continuar a trabalhar”, afirmou Luciano Vítor.

Luciano não sabe ainda quem orientará a equipa na próxima partida, mas garante que Capucho estava a ver o jogo e foi “dando indicações” no sentido de melhorar a equipa, mesmo com as substituições. Acabaram por não resultar, mas é o jogo. Desejo um bom Natal a todos”, acrescentou.

Deixe um comentário