Câmara e RUDE chegam a acordo

Depois de anos em disputa, com processos judiciais, as duas entidades chegaram a um entendimento e desistem das acções em curso no tribunal
0
196

O diferendo que opunha a Câmara da Covilhã e a RUDE – Associação de Desenvolvimento Rural terminou, depois de se arrastar há anos nos tribunais. Na reunião da autarquia de sexta-feira, 29, foi anunciado um acordo entre as partes. As duas entidades desistem dos processos judiciais em curso e a Casa dos Magistrados é entregue ao município até ao final de Agosto, para aí ser instalado o Tribunal do Trabalho.

Segundo Vítor Pereira, presidente da Câmara da Covilhã, o acordo vai permitir uma poupança, em relação aos valores reclamados em tribunal, de 62 mil euros, mais a isenção do pagamento das quotas nos próximos dois anos, no valor de 84 mil euros, a que se soma a redução do valor das quotas, a partir de Janeiro de 2022, dos actuais 3.500 para dois mil euros.

Vítor Pereira diz ter mudado “a vontade de ambas as partes”. “Uns e outros mudaram de opinião”, realça, o que permitiu “há cerca de um mês” chegar a entendimento com a associação presidida por Carlos Pinto, vereador do movimento De Novo Covilhã e ex-presidente da Câmara da Covilhã eleito pelo PSD. De acordo com o autarca socialista “houve sempre esforços bilaterais” neste sentido, através dos advogados, e o acordo esteve perto de se concretizar em Dezembro último.

(Notícia completa na edição papel)

Deixe um comentário