Câmara de Penamacor recomenda que não haja queima de madeiros

Troncos foram deixados no adro da igreja por cidadãos anónimos, mas autarquia recomenda que não se acenda a fogueira devido à pandemia
0
176

 A Câmara Municipal de Penamacor emitiu hoje uma recomendação para que este Natal não haja queima de madeiros no concelho, incluindo o da vila, que é considerado o maior do País.

Atendendo à “dificuldade na implementação das medidas emanadas pela Direcção Geral de Saúde e ouvidas as autoridades de saúde e de segurança, bem como a Comissão Municipal de Protecção Civil de Penamacor, recomenda-se a não realização/queima dos tradicionais madeiros, em prol de um Natal seguro para todos”, afirma o comunicado, assinado pelo presidente da autarquia, António Luís Beites.

A recomendação também tem em linha de conta a situação pandémica e o facto de Penamacor se encontrar na lista dos concelhos com nível de risco “extremamente elevado” de transmissão da covid-19.

A obrigatoriedade do cumprimento da Resolução do Conselho de Ministros, as normas de distanciamento social aconselhadas pela Direcção Geral da Saúde, bem como a proibição de ajuntamentos na via pública superiores a seis pessoas e a proibição do consumo de bebidas alcoólicas em espaços ao ar livre e vias públicas, são fundamentos igualmente apresentados.

Tradicionalmente organizado pelos jovens que completam 20 anos, o Madeiro de Penamacor é considerado o maior do País e todos os anos atrai milhares de pessoas à vila,

Devido à situação pandémica, nesta edição a autarquia optou por não organizar nem apoiar eventos presenciais e apostou numa programação ‘online’, que inclui a apresentação de um hino de homenagem ao madeiro.

Apesar disso, no dia 8 de Dezembro, numa acção aparentemente popular, um madeiro de menores dimensões do que o habitual foi depositado junto à Igreja, sendo que o município divulgou hoje a recomendação para que os madeiros do concelho não sejam ateados.

 

Deixe um comentário