Director Fernando Brito | Fundado em 1913 | Assinatura | Contactos | Publicidade | Ficha Técnica
Entrar | Registe-se | Ajuda
Banner Topo Direita
O semanário mais antigo
do Distrito de Castelo Branco
tempo 15 ºC
Covilhã
Terça-Feira, 17 de Outubro
|
|
|
|
|
|
Subscrever RSS Feed RSS Feed
Onde estou? » Secções » Centrais

A brisa que sopra ânimo para dentro da cadeia

2017-04-13
 


 

No Estabelecimento Prisional da Covilhã há voluntários que prestam apoio espiritual, cultural, que organizam acções educativas, desportivas, e que levam roupa e produtos de higiene a quem não tem apoio familiar

 

 

Júlio, 46 anos, natural da zona de Aveiro, estava detido no Estabelecimento Prisional da Covilhã (EPC) e nunca tinha recebido qualquer visita. Até que um dia lhe disseram que alguém o esperava. Estranhou. Achou que era engano. Ficou surpreendido quando viu uma senhora que queria falar com ele. Era uma das voluntárias que dá apoio religioso, Isabel. Se nessa primeira abordagem nem sabia o que dizer, passou a aguardar com ânsia cada regresso semanal. Afinal, era uma forma de interromper a rotina de dias que não se distinguem. Uma brisa do exterior.

 

Sem suporte nem contacto familiar, as acções de voluntariado têm para Júlio um impacto material e emocional. “Confortam-nos. Dão-nos ânimo. Dão-nos força para a gente sair daqui e se conseguir endireitar”, sublinha. Depois da missa de sábado, há tempo para conversar. E esses são momentos de evasão para o homem que ainda criança já trabalhava na construção civil e a quem o álcool fez companhia desde a meninice.

 

“Isto cá dentro é complicado para quem não tem ninguém. Esses momentos tiram-nos o peso de estarmos cá, faz-nos sentir outros. O apoio moral que dão dá-nos alento para a gente não desanimar”, frisa Júlio, que entretanto cumpriu a primeira pena de seis anos, mas regressou e aguarda a sanção por nova falha.

 

Os muros altos confrangem. As grades prendem até o pensamento. O ambiente prisional condiciona a mente, que por vezes escapa para memórias ou ideias que se querem evitar. “Os pensamentos torturam-nos. Enquanto não tenho trabalho cá dentro, a gente anda para a frente e para trás e só pensa em asneiras. Elas ajudam-nos a esquecer o mal. Tanto o que fizemos como o que não queremos voltar a fazer. Ajudam a aliviar”, realça Júlio, dedos entrançados e os dois polegares a formar um triângulo em movimento, onde os olhos, distantes, se fixam.

 

Reportagem completa na edição impressa do NC.

 

 
Ana Ribeiro Rodrigues
 
Tags: Voluntariado nas prisões, Estabelecimento Prisional da Covilhã.
Classificar artigo: 
   
 
Comente Comente     Imprimir Imprimir     Enviar artigo Enviar artigo
Para comentar esta notícia tem de ser um utilizador registado
Entrar ι Registe-se
!!SQL|3|open|select nome, email from REGISTO where id='@@CS|usrid@@'!! !!SQL|3|close!!
O Seu Nome:
O Seu E-mail:
O Nome do Amigo:
O E-mail do Amigo:
A sua Mensagem:
Código de Segurança:
Confirme o Código de Segurança.
Por favor insira os 6 caractéres que estão presentes na imagem.
A inserção dos caractéres é sensível a maiúsculas e minúsculas (case sensitivity).

EDITORIAL

Construtores da Paz

Fernando Brito       Editorial

OPINIÃO

A limitação de mandatos e a gestão pública

João Alves
Editorial

 


Anúncios Imobiliários
 

Armazém


Armazém

Para: Venda
Ribeira de Frades, Coimbra

Consultar

Apartamento T3


Apartamento T3

Para: Venda
Tavarede, Figueira da Foz

Consultar

Moradia Isolada T5


Moradia Isolada T5

Para: Venda
Assafarge, Coimbra

Consultar

Moradia Isolada T3


Moradia Isolada T3

Para: Venda
Tortosendo, Covilhã

Consultar

NC TV
 


Inquérito   Inquérito


Jornal Notícias da Covilhã Jornal Notícias da Covilhã - O semanário mais antigo do Distrito de Castelo Branco Jornal Notícias da Covilhã - O semanário mais antigo do Distrito de Castelo Branco, expertmedia, xmedia