Director Fernando Brito | Fundado em 1913 | Assinatura | Contactos | Publicidade | Ficha Técnica
Entrar | Registe-se | Ajuda
Banner Topo Direita
O semanário mais antigo
do Distrito de Castelo Branco
tempo 19 ºC
Covilhã
Quinta-Feira, 25 de Maio
|
|
|
|
|
|
Subscrever RSS Feed RSS Feed
Onde estou? » Secções » Centrais

A brisa que sopra ânimo para dentro da cadeia

2017-04-13
 


 

No Estabelecimento Prisional da Covilhã há voluntários que prestam apoio espiritual, cultural, que organizam acções educativas, desportivas, e que levam roupa e produtos de higiene a quem não tem apoio familiar

 

 

Júlio, 46 anos, natural da zona de Aveiro, estava detido no Estabelecimento Prisional da Covilhã (EPC) e nunca tinha recebido qualquer visita. Até que um dia lhe disseram que alguém o esperava. Estranhou. Achou que era engano. Ficou surpreendido quando viu uma senhora que queria falar com ele. Era uma das voluntárias que dá apoio religioso, Isabel. Se nessa primeira abordagem nem sabia o que dizer, passou a aguardar com ânsia cada regresso semanal. Afinal, era uma forma de interromper a rotina de dias que não se distinguem. Uma brisa do exterior.

 

Sem suporte nem contacto familiar, as acções de voluntariado têm para Júlio um impacto material e emocional. “Confortam-nos. Dão-nos ânimo. Dão-nos força para a gente sair daqui e se conseguir endireitar”, sublinha. Depois da missa de sábado, há tempo para conversar. E esses são momentos de evasão para o homem que ainda criança já trabalhava na construção civil e a quem o álcool fez companhia desde a meninice.

 

“Isto cá dentro é complicado para quem não tem ninguém. Esses momentos tiram-nos o peso de estarmos cá, faz-nos sentir outros. O apoio moral que dão dá-nos alento para a gente não desanimar”, frisa Júlio, que entretanto cumpriu a primeira pena de seis anos, mas regressou e aguarda a sanção por nova falha.

 

Os muros altos confrangem. As grades prendem até o pensamento. O ambiente prisional condiciona a mente, que por vezes escapa para memórias ou ideias que se querem evitar. “Os pensamentos torturam-nos. Enquanto não tenho trabalho cá dentro, a gente anda para a frente e para trás e só pensa em asneiras. Elas ajudam-nos a esquecer o mal. Tanto o que fizemos como o que não queremos voltar a fazer. Ajudam a aliviar”, realça Júlio, dedos entrançados e os dois polegares a formar um triângulo em movimento, onde os olhos, distantes, se fixam.

 

Reportagem completa na edição impressa do NC.

 

 
Ana Ribeiro Rodrigues
 
Tags: Voluntariado nas prisões, Estabelecimento Prisional da Covilhã.
Classificar artigo: 
   
 
Comente Comente     Imprimir Imprimir     Enviar artigo Enviar artigo
Para comentar esta notícia tem de ser um utilizador registado
Entrar ι Registe-se
!!SQL|3|open|select nome, email from REGISTO where id='@@CS|usrid@@'!! !!SQL|3|close!!
O Seu Nome:
O Seu E-mail:
O Nome do Amigo:
O E-mail do Amigo:
A sua Mensagem:
Código de Segurança:
Confirme o Código de Segurança.
Por favor insira os 6 caractéres que estão presentes na imagem.
A inserção dos caractéres é sensível a maiúsculas e minúsculas (case sensitivity).

EDITORIAL

Construtores da Paz

Fernando Brito       Editorial

OPINIÃO

Editorial

 


Últimas
Mais comentados
Mais lidos

No Estabelecimento Prisional da Covilhã há voluntários que prestam apoio espiritual, cultural, que organizam acções educativas, desportivas, e que levam roupa e produtos de higiene a quem não tem apoio familiar

Anúncios Imobiliários
 

Apartamento T2


Apartamento T2

Para: Venda
Conceição, Covilhã

Consultar

Moradia Isolada T4+1


Moradia Isolada T4+1

Para: Venda
Cernache, Coimbra

Consultar

Apartamento T2


Apartamento T2

Para: Venda
Tavarede, Figueira da Foz

Consultar

Garagem


Garagem

Para: Venda
Santo António dos Olivais, Coimbra

Consultar

NC TV
 


Inquérito   Inquérito


Jornal Notícias da Covilhã Jornal Notícias da Covilhã - O semanário mais antigo do Distrito de Castelo Branco Jornal Notícias da Covilhã - O semanário mais antigo do Distrito de Castelo Branco, expertmedia, xmedia